Blog Claudia Assef

Topo
Claudia Assef

Claudia Assef

Categorias

Histórico

DJs brasileiras estão levando a música eletrônica nacional para a gringa

Claudia Assef

2015-07-20T19:15:59

15/07/2019 15h59

Já deu pra sentir que tem muita mulher na cabine de DJ e isso não é de hoje. Apesar de ainda existir um desequilíbrio enorme entre gêneros em muitos eventos no Brasil, do outro lado da balança, há também todo um movimento que luta pela equidade, criando festas, festivais e eventos com line-ups onde a mulher é protagonista em todas as frentes.

O que a gente comemora muito é o fato de algumas dessas DJs estarem fazendo sucesso levando sua bagagem musical para além do território brasileiro, coisa que é realmente fato inédito para as meninas. A música eletrônica nacional já viveu alguns momentos de romance com o exterior, começando com a cena de drum'n'bass no final dos anos 90, personificada especialmente na figura dos DJs e produtores Marky, XRS e Patife. Anos depois, o Brasil "eletrônico" voltou a ser assunto quando o hit Pontapé, de Renato Cohen, virou hino nas pistas de techno do mundo todo, levado pelo padrinho Carl Cox, e no início dos anos 2000 foi a vez do paulistano Gui Boratto levar seu minimal techno pra passear por outros continentes.

Claro que muitas DJs brasileiras já tocaram fora do país. Inclusive temos a rainha do techno ANNA, que acabou optando por viver em Barcelona de tanto que bombou na Europa de uns 5 anos pra cá. Mas tem um novo time que vem tocando fora do país (e de certa forma representa a cena de festas independentes) que dá aquele orgulho das manas. Talvez a imagem mais emblemática desse paredão de minas na gringa seja a da DJ Cashu tocando no Boiler Room transmitido do festival Dekmantel, na Holanda, em agosto do ano passado.

Depois disso, uma série de datas em festivais e clubes de renome começaram a ser divulgados por DJs como Amanda Mussi, Badsista e a Barbara Boeing. Numa conversa rápida com a Cashu, entendi que se trata do resultado da relação delas com agências internacionais de bookings como Apelago, Odd Fantastic e Futura. Agências gringas têm buscado mais artistas femininas e sons diferentes dos padrões europeus, e, neste quesito, as brasileiras estão com a bola toda. Conheça um pouco sobre elas.

Barbara Boeing 

Barbara Boeing é DJ e pesquisadora musical há mais de uma década e, desde 2012, dá o sangue pela cena de sua cidade natal, Curitiba. Já teve banda e depois formou um coletivo, o Alter Disco. Fazendo festas de graça, Barbara ajudou a mudar movimentar a cena local, com um tempero próprio. Antes de partir para as primeiras datas na gringa, porém, Barbara foi construindo uma reputação tocando em festivais como o holandês Dekmantel em São Paulo, em 2018, e várias festas legais espalhadas pelo Brasil. Assim como rolou com Cashu, que ganhou muita moral depois de se apresentar ao vivo no programa Boiler Room, Barbara também ganhou um Boiler pra chamar de seu. Foi durante o festival Nuits Sonores, em Lyon, na França. O set foi transmitido ao vivo em junho último e foi sucesso total.

Ouça Barbara Boeing no Soundcloud

Amanda Mussi 

Dá pra dizer que a Amanda Mussi é uma ativista do techno de São Paulo, que tem background paraguaio (de onde ela já trouxe vários DJs incríveis para tocar no Brasil) e muito amor pela pista de dança. Fazendo uma mistura de gêneros que vão do techno ao electro, Amanda propagou suas ondas sonoras à frente da cabine da Düsk, festa criada por ela há quatro anos e que circula por vários endereços em São Paulo. Das recentes experiências neste verão europeu, ela aponta como highlights ter tocado no clube Berghain, em Berlim, o sonho dourado de 9 entre 10 DJ, e uma gig na Rússia.

Amanda na porta do Berghain, clássica foto pós-set, já que lá dentro fotos não são permitidas

Uma das criadoras da Mamba Negra, uma das festas mais queridas de São Paulo, Cashu tem circulado MUITO longe de sua terra natal. No Brasil, tocou em festivais como Dekmantel, DGTL, Red Bull Music Academy, Coquetel Molotov e muitos outros. Seu pulo do gato para o sucesso na gringa foi quando surgiu no line-up do Panorama Bar em Berlim e do Deckmantel Festival em Amsterdã, em 2017. Dali em diante passou a se apresentar em festivais e clubes importantes pelo mundo afora. Nesta segunda-feira (15), por exemplo, ela toca na festa Circoloco, no clube DC-10, em Ibiza, e em seguida embarca para a mesma festa, só que em Barcelona. No fim de semana, ela se apresenta no Melt Festival, na Alemanha, ao lado de nomes com Bonobo, Ellen Allien, Four Tet e Honey Dijon. Em setembro, ela toca junto com Badsista no Sónar da Cidade do México.

Cashu, da Mamba Negra para a Tasmânia e além

Badsista
Lembro das primeiras vezes que encontrei a Rafaela Andrade em painéis de debate, como um que aconteceu na Red Bull Stations durante o projeto Pulso, uns quatro anos atrás. E o que aconteceu com ela nesses quatro anos? Tudo! Rafa bombou seu nome de DJ e produtora, Badsista, produziu Linn da Quebrada, criou uma festa que é um sucesso, a Bandida, abriu um intercâmbio com outras muitas DJs e começou uma fervilhante carreira internacional, que já a levou até ao histórico e gigantesco festival Glastonburry na Inglaterra. Está neste momento em Londres, onde tocou ontem. Nos últimos meses passou pela Austrália, Portugal, Espanha, Holanda, França, México, Alemanha… o mundo tá pequenininho pra esta "irmã ruim". Veja aqui o Boiler Room que ela gravou na Alemanha, em março deste ano.

 

Ouça Badsista no Soundcloud

Érica

Mais um exemplo de mulher brasileira que anda levando um som diferenciado pra gringa é a cantora, DJ e produtora Érica, também conhecida como Érica Alves, que faz um live act de respeito e nos últimos anos vem representando a música eletrônica ao vivo em festivais e rolês mais amplos como a Red Bull Music Academy em Paris e Montréal, Forthwith Festival em Winnipeg, Canadá, apresentações em eventos de arte e festas da tribo-mor Voodoohop em Berlim. Acaba de chegar do Festival Más Amor Por Favor em Montpellier, no quase-tropical sul da França. Diferente dos exemplos acima, Érica não tem contrato com agência e vem agitando tudo de forma independente. Ela aproveitou essa ida ao velho continente para fazer uma transmissão do descolado Red Light Radio em Amsterdã, que você pode conferir na íntegra por esse link abaixo

Ouça Érica no Soundcloud

Sobre a autora

Claudia Assef é uma das mais respeitadas especialistas em música do país. É publisher do site “Music Non Stop” e ao lado de Monique Dardenne fundou o “Women's Music Event”, plataforma de conteúdo e eventos que visa aumentar o protagonismo da mulher na indústria da música.

Sobre o blog

Um espaço para falar sobre descobertas musicais, novidades, velharias revisitadas, tendências e o que está rolando na música urbana contemporânea, seja na noite ou nas plataformas de streaming mais próximas de você.